Artigos


Depressão – Um “mal estar” da Contemporaneidade

A depressão apresenta-se hoje como o mal da virada do século e que, segundo a Organização Mundial da Saúde, em 2020 será a segunda moléstia que mais roubará tempo de vida útil da população. É um transtorno psiquiátrico, que afeta pessoas de todas as idades no mundo todo.

Os sintomas característicos do quadro são: a perda de prazer nas atividades diárias, alterações cognitivas (dificuldades de concentração, esquecimentos) dificuldades para tomar decisões, alterações no sono, alterações no apetite, sentimentos de culpa, de desamparo, medos, redução do interesse sexual, retraimento social e pode chegar a ideação suicida. Muitas vezes a depressão apresenta-se como forma pouco evidente, latente, camuflada sob outros sintomas, como queixas de doenças orgânicas (dores de barriga, dores de cabeça ou no corpo).

As causas são inúmeras; há evidências de alterações químicas no cérebro do indivíduo deprimido, no que se refere aos neurotransmissores, (como a noradrenalina, serotonina e dopamina), sendo os medicamentos antidepressivos um importante recurso para agir no restabelecimento dos níveis normais destas substâncias. Mas sabe-se que a maior parte das causas podem estar associadas a fatores Psicossociais. Normalmente as pessoas que vivem ou viveram episódios depressivos relatam que fatores estressantes desencadearam o transtorno ou então que sofreram perdas significativas em suas vidas. Freud em “Luto e Melancolia(1915), foi o primeiro a contribuir ao propor o modelo teórico-clínico da depressão como experiência de luto quando a perda de um objeto amado. Naquela época, ele já notou nos estados de luto, numerosos traços de melancolia.

A depressão também pode estar associadaa acontecimentos traumáticos, situações de violência, mudanças repentinas, separações dolorosas, dificuldades nas relações interpessoais, que podem desencadear ou intensificar o quadro depressivo, porém, sempre dependerá da forma como cada indivíduo representará psíquicamente estas situações, ou seja, dependerá do significado que estas experiência terão para cada pessoa.

O tratamento especializado abrange o amparo medicamentoso e a psicoterapia.

A psicoterapia é um importante aliado no tratamento, pois ajuda o sujeito na sua reestruturação psicológica, compreensão do processo depressivo e dos seus conflitos psíquicos, possibilitandoo fortalecimento do seu self, o acionamento dos seus recursos internos e de suas potencialidades.

Quadros pintados por Vicent Van Gogh, que sofria de depressão. As pinturas parecem retratar a dor, a tristeza e o desespero de um homem deprimido.

Dra. Marina – Psicóloga clínica – CRP:06/78139

Dra. Lívia- Psicóloga clínica – CRP: 06/98396